Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
INFRAESTRUTURA

Quintella autoriza nesta segunda-feira (1/8) o início das obras do contorno de Mestre Álvaro (ES)

  • Publicado: Segunda, 01 de Agosto de 2016, 10h10
  • Última atualização em Sexta, 05 de Agosto de 2016, 15h47

A construção de 19 quilômetros de rodovia vão pôr fim ao trecho de estrada mais perigoso do Brasil (conforme a Polícia Rodoviária Federal), localizado na BR-101, perto de Vitória. Ele também vai autorizar a retomada da dragagem do Porto de Vitória

Nesta segunda-feira (1/8), o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, assina, em Vitória (ES), a ordem de serviço para as obras de construção do contorno rodoviário de Mestre Álvaro, na BR-101 (ES). O trecho, que terá 19 km de extensão, contará com investimento de R$ 290 milhões e beneficiará, aproximadamente, dois milhões de pessoas.

Quintella também assinará ordem de serviço para a retomada da dragagem do Porto de Vitória. Atualmente, a capacidade do porto se limita a navios de até 40 mil toneladas. Com o aprofundamento de 11,4 para 14m, será possível receber navios de até 80 mil toneladas. A expansão do fluxo de cargas deve saltar de sete milhões para 10 milhões de toneladas nos próximos anos. A obra teve investimentos de R$ 128 milhões e será concluída em novembro.

CONTORNO – O objetivo da obra na 101 é retirar, de forma definitiva, o tráfego local na travessia urbana do município de Serra. Para tanto, a obra contará com a implantação de uma pista dupla (quatro faixas), 40 passagens subterrâneas para travessia da fauna regional e sete viadutos.


Atualmente, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o trecho é considerado o mais perigoso do país, com um tráfego de aproximadamente 50 mil veículos por dia. Com a implantação da nova pista, além do ganho em segurança, também há expectativa para a redução do tempo de viagem na BR-101/ES.
O novo acesso beneficia toda a região metropolitana da grande Vitória, destacando os municípios de Serra, Cariacica e Vitória. Já foram repassados R$ 38 milhões para o governo do estado. Além disso, está prevista no orçamento de 2016, uma emenda impositiva da bancada do estado no valor de R$ 150 milhões.
O contrato foi licitado por RDC Integrado pelo governo do estado de Espírito Santo. A obra será executada pelo consórcio formado pelas empresas Contractor, Pelicano, Sulcataeinanse e Enecon.

Info ContornoMestreAlvaro ES release
DRAGAGEM – Para a dragagem do Porto serão utilizadas dragas com 50m de comprimento e 15m de largura, acompanhadas de dois batelões – embarcações próprias para operações próxima às margens. Serão retirados cerca de 800 mil metros cúbicos de sedimentos. O executor das obras foi o consórcio Dratec Etermar Rohde.


SISTEMA DE GERENCIAMENTO E INFORMAÇÃO DO TRÁFEGO DE EMBARCAÇÕES – Com a previsão de aumento das demandas, o Porto de Vitória será o primeiro do país a contratar o VTMIS (Sigla em inglês para Vessel Traffic Maganement Information). O ministro Quintella fará uma visita no local onde estão sendo providenciadas as instalações para o Sistema de Gerenciamento e Informação do Tráfego de Embarcações, como chamado no Brasil. O consórcio Indra VTMIS Vitória é o responsável pela implantação e estruturação do sistema.

O contrato, assinado em agosto de 2014 pela Companhia Docas do Espirito Santo (Codesa), administradora do Porto, contempla projeto executivo, instalação de equipamentos e treinamento de funcionários com custo de R$ 22,9 milhões.

O VTMIS é um sistema de auxílio eletrônico à navegação, com capacidade para prover a monitoração ativa do tráfego aquaviário. O objetivo é melhorar a eficiência da movimentação de cargas, organizando o tráfego no canal de acesso. Além disso, visa a melhoria na segurança da navegação, em áreas com intensa movimentação de embarcações ou riscos de acidente.

CONSTRUÇÃO DE BERÇO NOS DOLFINS DO ATALAIA – Outra importante obra que auxiliará no tráfego do Porto é a construção de um novo berço, com 270 metros de comprimento, 16 metros de largura e 14 metros de profundidade, que irá substituir os dolfins do Atalaia. O contrato, no valor de R$ 140 milhões, foi assinado em julho de 2014. A executora da obra é a empresa Estacon Infraestrutura S.A.


O novo cais receberá o nome de Berço 207 e possibilitará que navios com maior capacidade de carga possam atracar. Atualmente, só é permitida a movimentação de graneis líquidos. Com o novo berço, graneis sólidos também poderão ser movimentados.

Assessoria de Imprensa
Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil
Telefone: (61) 2029.7037
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

registrado em:

Notícias Relacionadas


Fim do conteúdo da página